17 de outubro de 2015

Vinho Branco mais Vinho Tinto e uma visita à produção do Vinho de Talha

Hi Mary e Sophia,

O Vinho da Talha corresponde ao néctar obtido num processo artesanal e biológico.


As talhas ou pipas de barro, algumas centenárias, enormes, de várias centenas de litros quando não ultrapassam o milhar, alinhadas nas adegas escuras e frescas recebem a uva que separa o seu elemento sólido, o mosto, do elemento líquido, o sumo.

Mexidos e remexidos diária e religiosamente para que os elementos sólidos durante o processo vão enriquecendo os aromas dos elementos líquidos. 

Enquanto o mosto continuar a querer flutuar é tempo de repetir o ritual. Um dia a fase líquida passa para a superfície e o mosto fica no fundo da talha. Temos vinho.

Esse vinho virá ao mundo a partir do fundo da talha.
Voltará a percorrer o seio do mosto que o filtra uma e outra vez antes de o "dar à luz" num fino débito.
A talha volta a recebê-lo uma e outra vez num processo de realimentação em que o nível não se pode baixar sendo completado com o vinho de outras talhas mais pequenas que se mantêm apenas para o "atesto" das grandes, ainda assim não se altere o processo de fermentação ou azede o néctar.



Enquanto houver vinho há trabalho de braços e de bactérias sem adição de qualquer outro ingrediente e se Deus quiser tudo correrá bem e o vinho, cuja resistência ao tempo a Deus pertence, há-de durar 3 ou 4 meses ou até ao Carnaval ou mesmo 1 ano.

Bebemo-lo ótimo na adega do senhor Mariano em Vila de Frades da produção do ano passado.

Antes das despedidas faço um brinde à saúde dos que mantêm vivo este processo de fazer vinho, com 2 mil anos de existência no Alentejo,
"Para que vivam".

Ficaria em falta se não relembrasse que o vinho que alegra o coração do homem desde os tempos bíblicos tem um lugar na pirâmide dos alimentos da dieta mediterrânica. Por isso aqui fica outro brinde, este
 "À vossa saúde".


Mom.



Webdocuments:
https://youtu.be/6s7Xzz3QMkk

Sem comentários:

Enviar um comentário