17 de janeiro de 2015

Cação de Coentrada à Alentejana


Hi Mary e Sophia,

Ainda estou para perceber porque é que as sopas de cação são um prato tão tipicamente alentejano.
Hoje não vamos ensopá-lo vamos apenas servi-lo com este sabor a ervas e esta cor verde de que alguns tanto gostam - cação em molho de coentrada.




Ingredientes:

  • 4 postas de cação
  • 2 cebolas grandes picadas
  • 4 dentes de alho cortados em pedacinhos
  • 5 colheres de sopa de azeite
  • 1 chávena de coentros picados
  • 1 colher de sobremesa de sal
  • 2 colheres de sopa de farinha (ou maisena)
  • 0,5L de água
  • 0,1L de vinagre


Preparação:

  1. Aquecer o azeite e cozinhar nele a cebola e os alhos lentamente;
  2. Aumentar a temperatura do fogão e colocar sobre a cebola as postas do cação temperadas com sal durante 3 minutos;
  3. Polvilhar com os coentros e verter a água previamente aquecida  sobre o cozinhado até levantar fervura;
  4. Retirar cuidadosamente as postas de cação e passar o molho com a picadora (varinha);
  5. Numa tacinha dissolve-se a farinha num pouco do molho e junta-se-lhe o vinagre para juntar de seguida ao molho a fim de o espessar;
  6. O molho regressa ao fogão já incorporado com a mistura preparada anteriormente, mexendo sempre até levantar fervura;
  7. Serve-se em tigelas cada posta de cação com uma dose abundante do molho de coentrada. 
Bom apetite ;)
Mom


4 comentários:

  1. Me ha gustdo mucho la receta pero ya me veis buscando por internet que pescado era el cation, jajajjaj.
    Fantástica
    Muas

    ResponderEliminar
  2. Olá! O cação também se chama tintureira e é um pequeno tubarão (tiburón?). Costumam utilizá-lo? Por aqui gostamos muito. :)
    Bejinhos.

    ResponderEliminar
  3. Já passaram quase 3 anos da publicação. No entanto vou tentar esclarecer uma dúvida, quanto ao consumo de cação no Alentejo (interior). Tal deve-se ao facto de o cação ser um peixe de pele rija, bastante resistente. Nem sempre houve estradas e meios de transporte como os que existem hoje, assim os distribuidores deslocavam-se em carroças e bicicletas, por estradas e caminhos cheios de buracos. Só os peixes resistentes chegavam com alguma qualidade aos consumidores alentejanos, que souberam aproveitar muito bem as características do cação em deliciosas receitas.

    ResponderEliminar
  4. Olá Joaquim Russo.
    Nunca é tarde para acrescentar valor e informação. Muito Obrigada.��
    Volte sempre.
    Mom

    ResponderEliminar