17 de agosto de 2014

Como preparar Inhame


Olá Mary & Mom,

a humidade nos Açores é inimaginável nesta altura. Terrível para mim, que sou de sequeiro, irrespirável. Bom para o inhame. Essa bendita Colocasia esculenta gosta deste solo fértil de vulcões adormecidos, deste tempo de quatro estações no dia-a-dia, de cada pinga de água que apanha na terra. Faz-lhe uma textura "manteiguda", uma polpa amarela saborosa que podia descrever como um cruzamento entre a batata doce, o marmelo e a castanha tudo num só rizoma. 
 Andei a calcorrear mercados e lojas pela ilha toda em busca do rizoma perdido. Achei-o com dificuldade e embora os haja espalhados pelo campo em vários locais parece que os locais preferem mandá-lo vir das Furnas por serem os mais afamados. Estes eram excepcionais. Fez-mos a minha rica sogra - Deus lhe pague.
 Aqui vos deixo o fundamental da técnica.



Ingredientes:

  • 2 kg de inhame
  • água fria q.b.
  • sal grosso q.b.


Modo de Fazer:


1) Começa-se por lavar bem o inhame, com casca, debaixo de água corrente. Para este processo poderão utilizar uma escova própria para vegetais e um par de luvas uma vez que o inhame cru contem ráfides com oxalato de cálcio que podem ser irritantes para a pele. A cozedura, no entanto, inactiva-os.
2) Corta-se o topo oxidado e seco e rejeita-se. Pode remover-se mais ou menos 0,5cm.
3) Coloca-se o inhame numa panela de pressão com água fria (sem sal) suficiente para o cobrir e leva-se a cozer durante 45 minutos a 1 hora.
4) Tira-se a panela do lume, remove-se a pressão e destapa-se. Acrescenta-se sal, a gosto e volta ao lume por mais 15 minutos, sensivelmente, desta feita já com a panela destapada. Se acharem que o vosso inhame ainda está rijinho podem deixá-lo mais tempo.


A partir deste processo obtêm o inhame cozido que serve de base a uma série de receitas. Pela-se no prato. Desta forma pode acompanhar directamente pratos de carne, peixe ou vegetais da mesma forma que a batata. Pode ainda descascar-se, já cozido, cortar-se em rodelas de 0,5 cm (mais coisa menos coisa) e fritar-se em óleo quente e desta forma também serve de acompanhamento à semelhança das batatas fritas. Nos Açores serve-se ainda cozido e polvilhado com açúcar como sobremesa.

Bom apetite,
Sophia.


Webgrafia:

1) http://pt.wikipedia.org/wiki/Taro

2 comentários:

  1. Ainda não me tinha apercebido que vivias nos Açores! Uma terra que há muito ambiciono visitar e conhecer.
    Já estive 2 vezes para lá ir, uma delas já com viagens pagas e tudo (que perdi por doença súbita quando a surdez me atacou). Mas ainda não perdi a esperança de em breve lá ir.
    Nunca comi inhame aqui no continente, mas acho que já o vi à venda. Fiquei com enorme desejo de provar esse rizoma e tu explicas muito bem como se faz. Obrigada por partilhares esses saberes connosco. Um abraço da Bombom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Bombom!

      Infelizmente só vivo nos Açores 15 dias por ano, mas bem gostaria que fossem mais... Espero brevemente mostrar mais um pouco desta linda ilha de Santa Maria que temos o privilégio de poder visitar anualmente.
      Desejo que tenhas finalmente a desejada oportunidade de também visitar os Açores e provar algumas das suas iguarias porque vale mesmo a pena a viagem. :)

      Um abraço,
      Sophia.

      Eliminar