6 de janeiro de 2013

Doce Ensopado do Chefe Nobre


Olá Mary & Mom,

este Natal, como dizia na nossa página de facebook, não foi cheio de presentes.
 Por força da crise e da falta de emprego para uns e de subsídio de Natal para outros, muita gente teve que apertar o cinto e os gastos natalícios tiveram que ser refreados.

 Não que isso me incomode porque, com toda a franqueza, há já muitos anos que o melhor do Natal para mim é a possibilidade de estar com a família que vive longe e se reúne nesta altura, as reuniões de amigos e até de colegas de trabalho que celebram o espírito de comunhão da quadra e não propriamente encher-me de presentes, desperdício de comida e de papel de embrulho e fitas a  encher os contentores do lixo nos dias a seguir às festas.

 Ainda assim e apesar das dificuldades, posso dizer que tive muita sorte e ainda ganhei alguns bons e simpáticos presentes de Natal. Um dos meus preferidos foi o que me deu o meu pai, que é sempre um rapaz com muito bom olho para estas coisas: um livro de receitas do famoso e muito querido chefe alentejano António Nobre. :)

 Claro que já me agarrei a ele e tinha que o experimentar para vos dar também a conhecer. Recomendo vivamente.

Esta foi a primeira receita que experimentei. Chamou-me à atenção pela simplicidade e pelo facto de ser confeccionada com pão.

Precisam de:
  • 200 g de miolo de pão alentejano do dia anterior
  • 150 g de açúcar (usei açúcar amarelo)
  • 4 ovos
  • 0,5 L de leite
  • canela em pó q.b.
  • raspa de limão q.b.
Coloca-se o leite ao lume numa panela até ferver.
Entretanto parte-se o pão e divide-se grosseiramente com as mãos em pedacinhos.


Quando o leite começa a ferver, baixa-se o lume e adiciona-se-lhe o miolo do pão e deixa-se ensopar.
Adiciona-se então a raspa de limão, as gemas e o açúcar e vai-se mexendo com uma vara de arame.





Tira-se então do lume e deixa-se arrefecer totalmente.
A mistura assim obtida forma uma papa grossa.
Enquanto esta "papa" arrefece batem-se as claras em castelo.
Quando a "papa" está fria adicionam-se as claras em castelo, envolvendo com muito cuidado.


Coloca-se o doce numa taça e serve-se frio, polvilhado com canela.


Bon appétit ;)
Beijinhos Sophia.


2 comentários:

  1. Olá Sophia!
    Não conhecia esta sobremesa mas como estamos sempre aprender na vida.
    Só lhe digo que tem um aspecto!!! hummm deve de ser mesmo bom e está muito cremoso.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria :)
    Também foi novidade para mim. É um doce à base de pão: primeiro estranha-se, mas depois... entranha-se mesmo!
    Fica uma espécie de arroz doce, mas feito com pão.
    Bjinhos
    Sophia

    ResponderEliminar