18 de dezembro de 2012

Sopa de miso (de inspiração macrobiótica)


Olá Mary & Mom,

a sopa de miso é para os vegetarianos e para os seguidores da macrobiótica o equivalente a uma canja de galinha: uma sopa de conforto, para aquecer o corpo e a alma.
 Já tinha comido algumas vezes estas sopas, em cantinas macrobióticas, no entanto nunca me tinha proposto a fazê-las em casa. Surgiu-me esta ideia enquanto me passeava numas páginas de facebook de comunidades de seguidores da dieta macrobiótica. Lançaram-me o desafio de fazer esta sopa e de a publicar. Entretanto encontrei um outro blogue sobre macrobiótica, também muito interessante, onde consegui obter mais alguns esclarecimentos sobre a confecção destas sopas. Para primeira tentativa não me saí mal, embora vos confesse que ainda há espaço para melhorias.
 O miso é uma pasta espessa produzida por fermentação da soja e/ou outros cereais, que para além de emprestar sabor aos cozinhados em que se usa, um pouco como um cubo de caldo concentrado, também tem um valor nutricional interessante: é rico em vários aminoácidos, minerais, fibra e vitaminas, e é uma fonte (não animal) de vitamina B12, o que o torna também interessante para os vegetarianos e vegans.
Para a minha sopinha usei:
  • 1 alho francês
  • 2 cenouras
  • 1 courgette pequena
  • 3 folhas de alface
  • 4 porções de alga kombu
  • 1 punhado de cogumelos
  • 1 cm de raiz de gengibre
  • 1 dente de alho
  • 1 colher de sopa de miso
  • 3 colheres de sopa de couscous (ou igual porção de massa integral, como por exemplo cotovelos)
  • sal q.b.
  • azeite q.b.
Comecei por demolhar a alga kombu num pouco de água morna, durante cerca de 30 minutos.
Entretanto cortei a cenoura, a courgette e o alho-francês às rodelas e as folhas de alface em juliana.
Coloquei uma panela com água e sal ao lume onde juntei os legumes cortados, o alho esmagado, o gengibre ralado e os cogumelos inteiros (eram pequenos).

Quando a água começou a ferver acrescentei a alga cortada às tirinhas, o azeite e o couscous.
Um pouco antes de os legumes estarem completamente cozidos acrescentei uma colher de sopa de miso previamente dissolvido num copo de água morna.
Dizem os entendidos que o miso não deve ferver para não perder as suas propriedades nutricionais (devo confessar que o deixei ferver um minutinho).

Ao servir acrescenta-se mais uma colher de chá de miso em cada prato.
É um consolo nestes dias de Inverno :)

Bom apetite,
Sophia.


Sem comentários:

Enviar um comentário