2 de novembro de 2012

Fruta de Outono (e outras delícias)



Chegou o Outono, quer se queira quer não e veio para ficar. Já mudou a hora.
Chegou ao tempo a austeridade, mas não à mesa. É que se todos nos pelamos pela fruta de Verão, o Outono também traz delícias especiais que só saboreamos nesta altura do ano. Toca a aproveitar.

Diospiros: fruto da árvore Dyospiros kaki, originária da China.
Em Portugal chama-se diospiro, que é uma palavra de origem grega e no Brasil é caqui, que é uma palavra de origem japonesa.
 É um fruto saboroso e nem por isso muito calórico: 58 kCal/100g.
 Riquíssimo em vitamina A e betacaroteno, possui também vitamina C e folatos, fibra e nada de gordura! :)

Marmelos e gamboas: frutos das árvores Cydonia oblonga e Cydonia vulgaris, respectivamente.
 A gamboa é ligeiramente mais doce e a sua textura mais macia que a do marmelo, o que permite comê-la crua.
 O marmelo consome-se mais frequentemente cozido ou na forma de doce, vulgarmente chamado de marmelada.

Batata doce: a batata-doce não é um fruto mas sim um tubérculo da planta Ipomoea batatas. Saborosa e nutritiva ela é rainha no Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, principalmente no Concelho de Aljezur, onde tem qualidade superior devido ao clima e qualidade dos terrenos daquela região. Reza uma das muitas lendas que foi para ali trazida por um soldado açoriano.
 No Alentejo costumamos assá-la e comê-la como sobremesa, mas fica deliciosa em feijoadas, como se faz em Aljezur, cozida para acompanhar pratos de peixe grelhado, frita, em doces, pastéis, bolos e pudins.
 A batata doce contém cerca de 119 kCal/100g, mas nada de gorduras, é sim muito rica em vitamina A e betacaroteno, vitamina C e folatos.

Figo-da-Índia: é o fruto de uma cacto suculento - a Opunctia ficus-indica. Podem ainda chamar-se figos de tuneira (Açores) ou tabaíbos.
Embora os frutos apareçam já no Verão eles estão bons para comer apenas a partir de Setembro, quando começam a passar de verdes a amarelos, laranja ou vermelhos.
 A sua origem não é clara, mas sabe-se que faz parte da alimentação humana há mais de 9000 anos.
 É muito popular no México, Israel e Palestina.
Rico em fibra, vitamina A e ferro.
Em Portugal o seu consumo e o seu uso em culinária não está muito implementado, mas usa-se muito noutros países o seu consumo em cru ou em sumos.


Castanhas: a castanha é uma parte do fruto da Castanea sativa , a que se usa chamar o ouriço(na foto), devido aos seus picos.
 Ricas em hidratos de carbono complexos e vitaminas C e B6, começaram a ser usadas na alimentação humana já na Pré-História.
 Muito antes de a batata ir à mesa já a castanha era usada como acompanhamento em pratos diversos.
Hoje em dia é uma guloseima clássica de Outono e vende-se nas ruas, assada, às dúzias, embrulhada em folhas das páginas amarelas do ano passado.
 É a cozinha transmontana que melhor uso faz da castanha, em doces, sopas e como acompanhamento, mas actualmente e por força de se venderem já descascadas e congeladas por esses supermercados fora estão a voltar às cozinhas portuguesas.


Romã: é uma infrutescência do arbusto  Punica granatum L., e não um fruto, a rigor. Pensa-se que seja originária da Grécia, Síria, Chipre e do Oriente Próximo.
A romã é mencionada em textos bíblicos e diz-se que estava presente nos jardins do Rei Salomão, tendo grande simbolismo para o povo Judeu. Os gregos e romanos tinham-na como um símbolo de fertilidade. Os árabes eram também grandes apreciadores tendo sido eles quem introduziu o seu cultivo na Península Ibérica.
A romã é pobre em gorduras e calorias (50kCal/100g), mas rica em minerais e vitaminas.
Vai à mesa crua e simples, ou com açúcar, para sobremesa, mas também em sumos e em saladas, onde oferece um toque fresco e colorido.


Tenham um saboroso Outono ;)
Sophia

PS: no Outono é ainda usual colher cogumelos deliciosos por esse pais fora, em serras e matas. Adoraria ter aqui um post sobre este assunto, mas dado o meu pobre conhecimento nesta matéria e os riscos implicados na sua apanha, ainda não é para já que vamos conversar sobre eles.
 Este espécime tinha uns bons 20 cm de altura e encontrei-o quando passeava na mata nacional do Buçaco, aliás um sítio maravilhoso para passear num dia fresco de Outono e sem chuva.
 Não faço ideia se é comestível ou terrivelmente mortal...

1 comentário:

  1. obg pela dicas!!vou por em prática,pois abri uma loja á 1 mês!!!

    ResponderEliminar